Suche

Press release #Grupo Bosch
Compartilhar press release

Na era do hidrogênio: Bosch inicia produção em massa de seu módulo de alimentação de célula a combustível

Vendas de 5 bilhões de euros com tecnologias de H2 até 2030

  • Companhia atua ao longo de toda a cadeia de valor do hidrogênio
  • Presidente mundial da Bosch, Stefan Hartung: “A Bosch conhece bem o hidrogênio e está crescendo com ele”
  • Investimento de quase 2,5 bilhões de euros em tecnologia de H2 de 2021 a 2026
  • Mais de 3.000 colaboradores atuando em tecnologias de hidrogênio
  • Experiência automotiva da Bosch em demanda na economia do hidrogênio

Bruna Carrara >

X

Stuttgart, Alemanha – A Bosch está entrando na era do hidrogênio da mobilidade. Em sua unidade de Stuttgart-Feuerbach, a fornecedora de tecnologias e serviços iniciou agora a produção em massa de seu módulo de alimentação de célula a combustível. Nikola Corporation, sediada nos Estados Unidos, será o cliente piloto com seu caminhão elétrico Class 8 movido a célula a combustível de hidrogénio, que deve estar no mercado norte-americano no terceiro trimestre de 2023. “Em Stuttgart-Feuerbach, na fábrica cuja história é mais antiga do que qualquer outra planta da Bosch, o futuro do hidrogênio está prestes a acontecer”, disse Stefan Hartung, presidente mundial da Bosch, durante o Bosch Tech Day 2023. “A Bosch conhece bem o hidrogênio e está crescendo com ele”. A empresa atua ao longo de toda a cadeia de valor do hidrogênio, desenvolvendo tecnologias para sua produção e aplicação. Até 2030, a Bosch planeja gerar vendas de cerca de 5 bilhões de euros com as tecnologias de hidrogênio.

Também em suas soluções para a economia do hidrogênio, a Bosch conta com uma rede de fabricação global e na capacidade de suas instalações na Alemanha – por exemplo, a fábrica da Bosch em Bamberg fornecerá a pilha de células a combustível à fábrica de Feuerbach. E componentes importantes do sistema, como o compressor de ar elétrico e o soprador de recirculação, vêm da fábrica da Bosch em Homburg. “A Bosch é uma das poucas empresas capazes de produzir em massa uma tecnologia tão complexa quanto pilhas de células a combustível. Não temos apenas a experiência necessária em sistemas, mas também a capacidade de ampliar rapidamente novos desenvolvimentos para a produção em massa", disse Markus Heyn, membro da direção mundial da Bosch e presidente da Bosch Mobility. A produção do módulo de alimentação de célula a combustível não está apenas começando em Feuerbach, mas também em Chongqing, na China. Os componentes necessários virão da fábrica de Wuxi. "A Bosch é a primeira empresa a produzir esses sistemas na China e na Alemanha", disse Hartung. Além disso, a Bosch também planeja fabricar pilhas para aplicações móveis em sua fábrica dos Estados Unidos, em Anderson, Carolina do Sul. Em todo o mundo, a empresa espera que, até 2030, um em cada cinco novos caminhões pesando seis toneladas ou mais contará com um powertrain de célula a combustível.

Bosch está ajudando a moldar a economia do hidrogênio e vê obrigações por parte dos responsáveis políticos

Somente com hidrogênio pode haver um mundo neutro em termos de clima e para a Bosch isso está muito claro. A empresa, portanto, defende fortemente o estabelecimento de uma economia de hidrogênio e está intensificando seus investimentos nesta solução. Entre 2021 e 2026, a Bosch terá investido um total de quase 2,5 bilhões de euros no desenvolvimento e fabricação de suas tecnologias de H2. Isso é um bilhão de euros a mais do que o previsto no plano de investimentos para 2021 a 2024. As oportunidades de negócios para a Bosch são grandes, assim como o efeito nos empregos. Mesmo agora, há mais de 3.000 pessoas na Bosch trabalhando em tecnologias de hidrogênio, sendo mais da metade delas na Europa. A maioria das vagas pode ser preenchida dentro da empresa e, principalmente, com pessoas que até agora trabalharam no negócio de powertrain da Bosch. No entanto, as perspectivas adicionais para o negócio de hidrogênio dependem do ambiente político. Hartung acredita especialmente que a Europa deve fazer muito mais do que vem fazendo para criar um contrapeso ao ritmo acelerado dos desenvolvimentos em outras regiões do mundo, como os Estados Unidos. Mais especificamente, o presidente da Bosch tem quatro demandas para os responsáveis políticos alemães e europeus: “Primeiro, temos que acelerar o ritmo da produção de hidrogênio na União Europeia. Em segundo lugar, cadeias de suprimentos globais têm de ser criadas e, em terceiro lugar, o hidrogênio deve ser usado em todos os setores da economia. "Como quarto ponto, ele salientou a importância de criar rapidamente infraestruturas para a distribuição de hidrogênio na Europa.

Tecnologia Bosch começa com a eletrólise e termina com o motor a hidrogênio

De qualquer forma, a Bosch está pronta e aplicando a experiência automotiva à economia do hidrogênio como nenhuma outra empresa. É por isso que a empresa também está em demanda na produção de H2. No início de 2023, a Bosch começou a construir protótipos para eletrólise usando membranas de troca de prótons – em outras palavras, o inverso do método de conversão de energia usado em células a combustível móveis. A empresa pretende disponibilizar protótipos de 1,25 megawatt para aplicações piloto e está a caminho de iniciar a produção em massa em 2025. A Bosch está explorando várias opções para o uso do hidrogênio, como a possibilidade de uso de células a combustível estacionárias de óxido sólido para o fornecimento distribuído de energia e calor. Em um projeto piloto no hospital em Erkelenz, perto de Colônia, na Alemanha, a Bosch quer usar essa tecnologia para alcançar uma eficiência global de 90%. A usina de micropotência funcionará inicialmente com gás natural, mas pode ser convertida em hidrogênio verde. Além do powertrain de célula a combustível, a Bosch também está trabalhando no motor a hidrogênio, desenvolvendo sistemas para injeção direta e portuária de hidrogênio. Esta solução é particularmente adequada para veículos pesados em percursos longos com cargas especialmente pesadas. “Um motor a hidrogênio pode fazer tudo o que um motor a diesel faz, mas, além disso, é neutro em carbono. Ademais, também permite uma entrada rápida e econômica na mobilidade baseada em hidrogênio”, disse Heyn. Uma grande vantagem é que mais de 90% das tecnologias de desenvolvimento e fabricação necessárias para isso já existem. Espera-se que o motor H2 seja lançado a partir de 2024. Mesmo agora, a Bosch tem quatro pedidos para projetos de produção de todas as principais regiões econômicas e espera volumes unitários de seis dígitos até 2030. Também neste campo, a Bosch está levando dinamicamente a economia do hidrogênio para a frente.

Com quase 70 anos de história com o Brasil, Grupo Bosch emprega atualmente no país cerca de 10.000 colaboradores e registrou, em 2022, um faturamento líquido de 7,8 bilhões de reais com a oferta de produtos e serviços para os setores de Mobilidade, Tecnologia Industrial, Bens de Consumo e Energia e Tecnologia Predial. As operações do grupo na América Latina empregam cerca de 11.500 colaboradores que contribuíram para gerar um faturamento de 10,3 bilhões de reais, incluindo as exportações e vendas das empresas coligadas. Para mais informações: www.bosch.com.br, www.bosch-press.com.br.

O Grupo Bosch é um líder global de tecnologia e serviços. A empresa emprega cerca de 421.000 colaboradores em todo o mundo (em 31 de dezembro de 2022). A empresa gerou vendas de 88,2 bilhões de euros em 2022. Suas operações do Grupo são divididas em quatro setores de negócios: Mobilidade, Tecnologia Industrial, Bens de Consumo e Energia e Tecnologia de Construção. Como empresa líder em IoT, a Bosch fornece soluções inovadoras para casas inteligentes, Indústria 4.0 e mobilidade conectada. A empresa busca por uma mobilidade que seja sustentável, segura e fascinante e utiliza sua expertise em sensores, software e serviços, assim como sua própria nuvem de IoT para oferecer aos seus consumidores conectados múltiplas soluções a partir de uma única fonte. O objetivo estratégico do Grupo Bosch é disponibilizar inovações para uma vida conectada com produtos e soluções que contenham inteligência artificial (IA) ou que tenham sido desenvolvidos ou fabricados por meio da IA. Com isso, a Bosch aprimora a qualidade de vida em todo o mundo com produtos e serviços inovadores concebidos para fascinar e, assim, cria "Tecnologia para a Vida". O Grupo Bosch compreende a Robert Bosch GmbH e suas cerca de 470 subsidiárias e empresas regionais em mais de 60 países. Incluindo parceiros de vendas e serviços, a rede global de fabricação, engenharia e vendas da Bosch abrange quase todos os países do mundo. A base para o crescimento futuro da empresa é sua força inovadora. Em 136 locais em todo o mundo, a Bosch emprega cerca de 85.500 colaboradores na área de pesquisa e desenvolvimento, dos quais quase 44.000 são engenheiros de software. Mais informações: www.bosch.com, www.iot.bosch.com, www.bosch-press.com, www.twitter.com/BoschPresse

Baixar press release

Ainda procurando por algo?